Seguidores

sábado, 14 de abril de 2012

Fazenda do Lima-

FAZENDA DO LIMA – A ÚLTIMA SESMARIA
                         
Depois de sessenta anos de uma decisão judicial que a considerou inalienável ao longo de  algumas gerações e ocupando um quinto do território do município de Pequerí, ressurge a ocupação da Fazenda do Lima sob a égide de ricos empresários que a adquiriram e a dividiram em modernas propriedades rurais para seus hobby e lazer. Certamente, a fácil localização nas proximidades do Rio de Janeiro e onde os conflitos pela terra são praticamente inexistentes, eles  implantaram seus projetos com modernos haras, técnicas agrícolas, eletrificação rural, telefonia, rebanhos com pedigree, boas vivendas, etc. e promoveram, inclusive, o paisagismo racional e a revitalização da mata atlântica antes  quase totalmente destruída. Tal modernidade tem surpreendido e encantado munícipes e transeuntes da poeirenta estrada municipal que liga Pequeri  à localidade de Sossego e que atravessa as terras da histórica fazenda. Os filhos da terra, na sua vocação telúrica aplaudem confiantes os novos e ricos proprietários de sítios e fazendas que adotaram novos topônimos em seus quinhões e lançam umolhar de agradecimento ao céu. OS quatrocentos e tantos alqueires mineiros considerados malditos por ocultarem por quase 40 anos a escravidão de negros após a abolição, já não são mais “terra de ninguém”. Dos seus 600 moradores nas décadas de 1920 e 1930, restavam
apenas dois ou três personagens, além do fazendeiro Zeferino e da sua fiel  Bá. O imenso vazio de gente era um desafio ao desenvolvimento do município e  verdadeira  nódoa na vocação dos homens que fizeram a história de Pequeri e da microrregião.

A história da Fazenda do Lima constitui  um importante capítulo do povoamento  da região após a liberação das terras do sul da  Zona da Mata inseridas no triângulo denominado das “ matas proibidas”. Sua origem remonta ao início da cultura de cafezais em terras doadas  pelo governo imperial, ou pelos governadores  de províncias, a colonizadores e povoadores de sertões que derrubaram as matas onde tudo era proibido.
A fazenda  tem sua origem com a doação de uma sesmaria ao  padre português Antônio  José de  Mello Lima, como prêmio por haver aceito, em 1823, seu provisionamento  na capela de Santana do Deserto, confundida na época, como localizada nos sertões do rio Doce. O nome de Zona da Mata ainda estava longe da realidade com que os sertões entre os rios Paraíba do Sul, Pomba e Paraibuna seriam mais tarde conhecidos. Foi  Celso Falabella Figueiredo  de  Castro, famoso historiador mineiro nascido em Mar de Espanha, quem nos brindou com a certidão fornecida pelo Arquivo do Estado premiando o padre Lima que teve seu nome perpetuado na fazenda que um dia se tornaria famosa.
 Sem  vocação rural e obstinado pela vida religiosa em sertões ainda inóspito, o padre Lima, pouco tempo tinha para cuidar da fazenda. É possível que tenha, pelo menos, iniciado uma modesta plantação de cafeeiros dentro do amplo espaço de selvas virgens a fim de assegurar a sua posse. Sem herdeiro direto, seu sucessor  foi  o sobrinho Manoel  Ignácio de  Mello  e  Souza, português diplomado em direito pela Universidade de Coimbra, que na capital  ocupou uma cadeira no
Senado do Império depois de ter sido desembargador em São João Del Rei e  governado a gloriosa província das Minas Gerais. Por seus relevantes serviços prestados ao Império, foi  agraciado com o título de  Barão do Pontal, com o qual ficou  conhecido ao longo da história e, por  fim, esquecido.     Empolgado com a imensidão de terras férteis, o Barão do Pontal,dinamizou a lavoura de café e construiu, em 1838, a imponente sede da fazenda, importando o famoso pinho de Riga para seus  forros, pisos,janelas e portas. Em homenagem ao tio, conservou o nome da propriedade,  antes conhecida como Fazenda do Padre Lima  para identificar " ad aeternitatem"  a vasta  e promissora propriedade, fadada a ser a única sesmaria a chegar intacta ao final do século  XX.
Sem a graça da paternidade, o Barão do Pontal criou uma menina que lhe herdaria os bens e  se casaria com o fazendeiro Albino Cerqueira Leite I ,  membro de tradicional família sesmeira  de terras em Simão Pereira, na época conhecida como Rancharia.
Albino Cerqueira  Leite I era irmão do desembargador Pedro Alcântara Cerqueira  Leite, mais tarde Barão de  São João Nepomuceno e que também governou  a província de Minas Gerais. Dono  da Fazenda da Gruta em Santana do Deserto, Pedro Alcântara foi o  idealizador da criação da Companhia de  Estrada  de  Ferro  “União Mineira” que desbravou a região com a construção da ferrovia ligando  a estação  de  Serraria, na divisa do estado do Rio de Janeiro  a São João
Nepomuceno, passando pelas suas terras e nas do irmão Albino permitindo, inclusive, o surgimento das localidades de  São Pedro do Pequeri, Bicas, Santa Helena, Sossego e Silveira Lobo.
Situada na parte sul do município de Pequeri  e confrontando com os municípios de Santana do Deserto e Mar de Espanha, a Fazenda do Lima foi sempre referência nas descrições de divisas entre antigos distritos de paz que mais tarde  seriam  transformados  em municípios. Estava fadada a ser território exclusivo de Pequeri, desde a criação do distrito, desmembrado de Sarandira, em 1890. Segundo Zeferino Cerqueira Leite, neto de Albino I, algumas terras vizinhas, situadas em outros municípios, foram anexadas à  Fazenda do Lima por compra, porém há contradições curiosas quando foi  adotada a fixação de divisas municipais e distritais pelo sistema de águas vertentes, o que ocasionou o fato de alguns pedaços, ou pontas de fazendas passarem à jurisdição de outros municípios.
Por longos  anos, a Fazenda do Lima foi considerada inalienável, passando  de geração em geração a varões do mesmo clã até que a sorte mudasse sua história. As propriedades vizinhas tiveram rumo diferente. Foram alteradas nos seus espaços, divididas em sítios e fazendas em decorrência de partilhas de heranças, mudaram de senhores e até tiveram  novos topônimos  como as fazendas de  Santa Isabel, hoje  Mãe  Geninha;  Cachoeira, Santo Inácio, Aparecida, Bom Jardim e  Castelo, desmembradas das  sesmarias de  São  Pedro  e  Santa Rosa, subdivididas ainda, em sitio do Carazal ( Hoje, Santa Fé), Bela Itália,  sitio  São Pedro, sitio Santa Rita, sítio das Perobas, etc.
  Apesar de ter sido recordista na produção de café em terreno demontanhas alcantiladas, a fazenda  sempre teve uma grande reserva da mata atlântica. Tinha  guardas para protegê-la e  impedir a caça  por aventureiro, roubo de lenha e madeira.  Suas matas abrigavam  uma rica fauna, com lobo guará,  veado campeiro, javali,  capivara, jaguatirica, quati, macacos diversos, paca, tatu, etc. Destruída
parcialmente quando em decadência  nos anos de 1940, a fazenda foi o grande celeiro de lenha para  as locomotivas da Leopoldina Railway durante a Segunda  Guerra Mundial. Porém, o êxodo rural e o abandono em que a fazenda viveu a partir dos anos de 1930, possibilitou  a recuperação parcial da mata atlântica, a despeito de alguns arrendamento de pastos a inescrupulosos  parceiros que sonhavam em apropriar-se de alguns quinhões de suas terras.
Nos lúgubres grotões da serra do Lima e da serra da Piedade, seencontram as nascentes do  rio Caguicho, ou Cágado pequeno, Zumbi e outros ribeirões que integram a bacia do rio Cágado.  Das entranhas da terra ficaram conhecidas as reservas de caulim, feldspato, cristal de
rocha e  malacacheta  que nunca foram exploradas por conta da excentricidade de Zeferino Cerqueira  Leite, sempre desconfiado e cauteloso contra as artimanhas de  mineradores aventureiros e a
incerteza quanto aos segredos do sub solo numa época em que a  prospecção  mineral anda não era confiável.


Texto escrito pelo Historiador Julio Cezar Vanni, publicado originalmente no Jornal O MUNICÍPIO na coluna : Cultura, Gente e Ideias, Bicas, MG, 1º a 29 de fevereiro  de 2012.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...